Por ANTÔNIO MENDES DA SILVA FILHO

Doutor em Ciência da Computação

 

Entendendo a criatividade: 

o comportamento de pessoas criativas

 

Um dos principais ‘combustíveis’ para a criatividade é a imaginação. Trata-se de um aspecto intrínseco ao ser humano que lhe possibilita trabalhar e combinar idéias e fatos conhecidos a fim de gerar novas idéias. A imaginação permite o indivíduo formar idéias abstratas e está intimamente associado a capacidade de criação.

Pessoas criativas têm níveis de consciência e atenção maior do que as demais. Isto dá a elas uma sensibilidade elevada, além de estarem sempre dispostas a enxergar novas possibilidades e buscar novas relações entre as coisas. Cabe ainda salientar que elas apresentam duas linhas de raciocínio: divergente e convergente.

O raciocínio divergente faz parte da natureza humana. Os indivíduos criativos utilizam-se de ‘gatilhos’ ou idéias simples para desenvolver idéias mais complexas. Durante o processo criativo, eles fazem uso de componentes da criatividade que auxiliam o momento criativo. Dessa forma, as pessoas criativas:

  • Têm um comportamento investigativo e colocam questões, buscando detalhamento nas respostas.

  • Geram de muitas idéias, avaliando soluções alternativas.

  • Buscam soluções inovadoras e até então não imaginadas.

  • São ousados na busca de soluções.

  • Têm facilidade abstrair e conceituar novas idéias.

Indivíduos racionando de maneira divergente têm facilidade em elaborar e conceber várias idéias originais. Além disso, eles ficam obcecados na busca de solução para um problema e trabalham com uma série de idéias, veloz e simultaneamente, até encontrar uma solução.

O raciocínio convergente é um modo de pensar no qual o indivíduo procura a solução correta para um problema. Isto é similar a solucionar um problema de física ou matemática como apresentado num livro.

Nesse modo de pensar, o indivíduo faz uso do raciocínio lógico e avaliativo a fim de identificar o real escopo do problema e reduzir o universo de soluções adequadas ao problema. Isto implica em tentar encontrar critérios que delimitem quais soluções são apropriadas ao problema que se tem em mãos. Essa linha de raciocínio é empregada quando se deseja apreciar e avaliar um conjunto de dados e idéias a serem empregados na solução de um problema, bem como geração de uma nova idéia.

Se você fosse questionado a identificar os traços de personalidade de uma pessoa criativa, qual seria sua resposta? Pare por cinco minutos, procure lembrar de ocasiões que você vivenciou onde idéias inovadoras foram apresentadas.

A qual perfil de pessoa criativa você chegou?

Sua resposta deve envolver, pelo menos, cinco traços de personalidade. Esses traços de personalidade amadurecem à medida que o indivíduo contorna eventuais bloqueios de momentos de criação.

O momento de criação de um indivíduo é similar ao momento de descoberta de uma criança. Ambos encontram-se com tempo ilimitado, sem pressão por resultados, sem vigilância e com imaginação e percepção aguçadas. Pode-se afirmar que a ingenuidade de uma criança auxilia no processo de descoberta e aprendizagem dela. O mesmo se dá no momento criativo, em situações de descoberta, no qual o cérebro não trabalha em busca de uma idéia e, repentinamente, ocorre um lampejo.

O comportamento de um indivíduo criativo é resultado da compilação de traços de personalidade. O comportamento dele se molda a partir do desenvolvimento de suas habilidades e da não ocorrência de bloqueios durante o amadurecimento de sua criatividade. Esse processo de ‘lapidação’ de um indivíduo criativo se dá com o exercício e incorporação de determinados padrões de comportamento inerentes ao processo criativo.

Um indivíduo criativo possui padrões de comportamento, os quais podem ser identificados através de sua observação. Exemplos deles incluem:

  • Curiosidade extrema;

  • Persistência diante de obstáculos;

  • Independência em suas atitudes;

  • Tolerância a situações de ambigüidade e desordem;

  • Desenvoltura e desembaraço na execução de atividades

  • Determinação para explorar soluções alternativas;

  • Capacidade de empreender longos esforços.

As pessoas criativas apresentam uma ‘mobilidade’ de raciocínio incrível. Elas conseguem, facilmente, perceber e encontrar novas abordagens e perspectivas onde idéias e soluções podem ser empregadas. Também, elas têm a tendência de trabalhar com idéias contrárias e não relacionadas durante o processo criativo. Além disso, elas fazem uso de analogias e metáforas quando em busca de uma solução ou quando tentam contestar alguma suposição.

Pessoas criativas agem como crianças. Durante o período de descoberta das crianças, elas costumam explorar, experimentar e aprender com os erros. É dessa forma que elas ajustam e reorganizam suas idéias, bem como usam a imaginação. O indivíduo criativo trabalha similarmente nos momentos criativos.

Note que esse tipo de comportamento e habilidade não se encaixa dentro dos padrões de avaliação encontrados em escolas e universidades. Essas são habilidades da vida. Em anos de experiência dentro da universidade, pude observar muitos estudantes de pós-graduação com conceito A (com notas entre 9.0 e 10.0) que se mostraram sem condições de fazer pesquisa. Houve um caso de uma garota, estudante de doutorado de uma instituição norte americana renomada, que possuía excelentes notas, isto é, apenas conceito A em seu histórico. Entretanto, essa garota não foi capaz de apresentar uma proposta de tese de doutorado. Na ocasião, o orientador dela (e também a instituição) que considerava mais importante o aluno ter no histórico um conjunto excelente de notas a ajudou no processo de formulação do problema ainda não tratado, bem como nas possíveis soluções que poderiam ser empregadas. Trata-se de um exemplo de pessoa inteligente, mas de pouca criatividade. Hoje em dia, essa pessoa está empregada em uma grande empresa e desempenha de modo exemplar suas funções. Embora ela seja uma pessoa altamente qualificada a solucionar problemas, alguém necessita formular o problema ou até aponta possível solução. Portanto, inteligência não é tudo.

Inteligência não é evidência de criatividade. Inteligência compreende a capacidade de aprender e raciocinar. Todavia, como vimos no exemplo acima, um conjunto de notas excelentes, com média entre 9.0 e 10.0, não nos permite qualificar a pessoa como criativa também. A criatividade, por outro lado, é a capacidade de gerar novas idéias, conhecimentos e produtos. Nesse sentido, os indivíduos criativos, diferentemente dos inteligentes, apresentam outros padrões comportamentais além daqueles apresentados anteriormente, que o fazem:

  • Pensar e elaborar idéias e soluções com facilidade.

  • Adaptar idéias e soluções, abandonando abordagens antigas e adotando novas idéias e formas de pensar.

  • Apresentar idéias originais e incomuns.

  • Utilizar o raciocínio divergente e convergente.

  • Identificar e avaliar dificuldades e deficiências em idéias e produtos.

  • Redefinir idéias e abordagens antigas de um modo novo.

 

Clique e cadastre-se para receber os informes mensais da Revista Espaço Acadêmico

Sugestão: Complemente o entendimento sobre criatividade lendo:

O Valor da Criatividade no Ambiente Corporativo

Entendendo a  Criatividade: A Dinâmica do Processo Criativo 

clique e acesse todos os artigos publicados...

http://www.espacoacademico.com.br - Copyright © 2001-2005 - Todos os direitos reservados